terça-feira, 19 de outubro de 2010

Duas árvores generosas




Eis dois ótimos livros que se aproximam ao colocar árvores como protagonistas, relacionando-se com os homens. Dando-lhe sentimentos e ideias, Oswaldo França Júnior, de "A árvore que pensava", e Shel Silverstein, estadunidense autor d' "Árvore generosa", dão movimentos à esta espécia marcada pela inércia. O livro de Shel foi publicado na década de 60, e o de Oswaldo na década de 80. A preocupação com a devastação ambiental é cada vez maior, mas certamente já rondava as cabeças pensantes desses tempos. Mas seria esta a intenção dos dois autores?
O livro de Oswaldo, que é ilustrado pela artista Angela Lago, pode ser considerado uma curta fábula. Conta a história de uma arvore - que pensava muito - e que um dia foi transportada para a praça no centro de uma cidade. Animada, faz de tudo para adaptar-se a esse novo meio e conquistar seus habitantes. Aliás, decisivas para a compreensão do drama da árvore, são as ilustrações de Lago. Exatamente como na capa (vide foto), as ilustrações ocupam um pequeno quadrado, ao centro da página. A ilustradora dispensa a página inteira que é lhe é reservada, e assim aumenta a sensação de opressão da árvore, acuada entre prédios e mais prédios. Do que jeito que dá, a árvore cresce, avoluma-se. A consequência desse crescimento é sua poda, pelas mãos humanas, coisa que a árvore não compreende. Por desconhecer a lógica do novo espaço - a apertada cidade - ela tenta corrigir seu crescimento, desviando seus galhos para cima - não mais para os lados. Novamente, crescidos os galhos, surgem os homens que os "amputam" (verbo usado por Oswaldo. E na ilustração, pra fazer uma tabelinha com o texto, tem-se os homens com foices e vestidos de barbeiros (!), aproximando a árvore de um caráter humano). A ingênua árvore crê que os homens são seus benfeitores, e se dispõe a mudar por eles novamente - decide parar de crescer. O que acontece? "E como ela não crescesse mais,/os homens a arrancaram da praça e colocaram outra em seu lugar". Um desfecho cruel, que obriga o leitor a parar para pensar após a leitura. Onde está o erro? Por que esse fim tão ruim para a generosa árvore?
A ingratidão também é um sentimento que ecoa (junto com vários outros) nas páginas do outro livro, "A árvore generosa", de Silverstein. Mas sob um viés bem diferente: o amoroso. "Era uma vez uma árvore... que amava um  menino", inicia Silverstein, autor do texto e das ilustrações. O leitor é apresentado à história de cumplicidade entre o menino e a árvore. Todo dia o menino lá, brincando. Trepando no tronco, catando folhas, comendo os frutos dela, balançando-se, ou brincando de esconde-esconde com a árvore.... numa rotina feliz. "O menino amava a árvore.../ profundamente./E a árvore era feliz". Mas logo surge o tempo com suas mudanças. E a narrativa toma um novo rumo quando o menino cresce. "O menino cresceu", diz o texto, enquanto a ilustração, completando as palavras, mostra a árvore, e atrás dela quatro pernas que se deixam entrever... duas do menino.... e duas de uma nova companheira. "E árvore muitas vezes ficava sozinha". Árvore que, ao longo de todo o livro, nunca se mostra inteira (vide foto). Nunca em sua totalidade. Oprimida? Acuada pelo amor excessivo que dispensa ao menino? Bem possível. A sequência da narrativa parece atestar isto, ao mostrar o menino - que andava sumido e agora já é um moço- voltando para sua companheira. A árvore não perde tempo: convida-o a brincar em seus galhos, comer suas maças, reviver aqueles bons momentos. Mas o menino não é mais o mesmo. Não tem mais tempo a perder com brincadeiras. Agora quer se divertir, comprar muitas coisas. "Você tem algum dinheiro que possa me oferecer?", ele pede. Mas ela é apenas uma árvore. "Sinto muito (...) mas eu não tenho dinheiro. Tenho apenas minhas folhas e minhas macãs. Mas leve as maçãs, Menino. Vá vendê-las na cidade. Então terá dinheiro e você será feliz." É o que o Menino faz: colhe as maças, vai embora. E a árvore? "E a árvore ficou feliz", num refrão da passividade que se estenderá por todo o texto. Sempre que precisa de ajuda, volta o menino. Adolescente, adulto, idoso. Sempre a pedir. Sempre a levar tudo o que a árvore tem. E árvore, generosa, sempre feliz em poder ajudar seu amado. Amado, sim. Mas quem é esse amado? Seu filho? Seu homem?. Talvez a escolha do fruto - a maçã - seja mais uma pista para acolhermos essa segunda ideia.... mas que ser, senão uma mãe, seria tão generosa, a ponto de ficar à vida toda cuidando do Menino (nome que ele mantem por toda a hostória, não importa quantos anos passem - coisa de mãe, isso), enquanto ele vivia seus amores e desgostos? Só uma mãe...  Que é essa árvore? Mãe? Amante? ... um pouco das duas, quem sabe. Árvore que, ao final do texto, após tantos pedidos, se reduz a um mero toco. E o Menino está velho e cansado. Nada lhe resta a não ser descansar. E a ávore nada pode oferecer senão a si mesmo, como uma cadeira, para o Menino sentar. Para ela ser feliz mais uma vez... será?
Esse livro do Shel é outro do qual o leitor não sai ileso, sem se debater com suas próprias ideias acerca do amor, e do quanto é preciso se doar ao outro.
Nas duas histórias, as árvores - por diferentes razões - perdem seus galhos. Difícil não associar essas imagens com a questão da preservação ambiental, ideia em voga há alguns anos (certamente um tema discutido nos idos da década de 80.... agora, década de 60.. confere?). Ao mesmo tempo, é fácil notar que essa não é a intenção única dos dois livros. Especialmente o de Shel, que trata do amor e dos infinitos sentimentos que o rondam (ingratidão, generosidade, alegria, solidão, companheirismo, etc). A história de Oswaldo, essa sim, perpassa de forma clara essa questão problemática, que é o avanço das cidades sobre o espaço natural. Ao relatar a grande dificuldade de apenas uma (!) árvore em se adaptar à mecânica cruel de uma cidade, o autor critica essa opressão dos humanos sobre toda a  natureza. Mas se limitasse apenas à essa preocupação, o pequeno texto de França Junior e as ilustrações de Angela Lago, não tornariam o livro tão bonito quanto ele é. Um grande tema dos dois livros - e que dá beleza a eles - é o difícil relacionamento tre dois seres diferentes - árvore e homem, nesse caso. Por mais que a árvore pensante desenhada por Angela apresente características humanas (usa óculos, travesseiro, anda de carro até a praça onde é colocada...) ela não é humana. é uma árvore, condição que a impossibilita de viver igual-para-igual com os homens, que acabam rejeitando-a. Não seria essa impossibilidade algo que assombra também a árvore de Shel (que não podendo amar o Menino, dá tudo que tem a ele... inclusive seu próprio tronco). São perguntas e mais perguntas, que não pedem uma resposta única. Afinal, nessas florestas de sentidos, cada leitor vê de forma diferente essas duas árvores, pensantes e generosas.
REFERÊNCIAS:

JUNIOR, Oswaldo França; LAGO, Angela. A árvore que pensava. 3 ed. Ed. Nova Fronteira. 1986
SILVERSTEIN, Shel. A árvore generosa. Tradução de Fernando Sabino. Ediouro. 1964.

PS: Desculpas a quem não gosta que a história do livro seja contada, especialmente quando o resenhista cita cruciais partes como o clímax ou desfecho da história. às vezes não consigo evitar...

3 comentários:

  1. Oi, Eduardo!

    Acho muito bom quando a leitura de um livro ajuda a pensar outro...

    Também acho ótimo quando a leitura de alguém me ajuda a minha própria...

    Obrigada pelas suas iluminações!

    Abraço.

    ResponderExcluir
  2. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  3. valeu, cris.
    esse livro propicia infinitas leituras,
    já que cada um tem uma forma de ver o amor (e histórias de amores) diferentes.

    ResponderExcluir